Eles podem ser lidos como obras culturais e, quando bem aproveitados pelos professores, são capazes de potencializar a aprendizagem dos estudantes, ajudando na formação de memórias duradouras.

Livros didáticos são, antes de tudo, resultado de produções criativas e multidisciplinares. 

Já pensou que você pode atuar nessa área? Essa é uma alternativa de profissão muito interessante para diversos profissionais, como professores, designers gráficos, redatores e editores, por exemplo.

Vamos falar mais sobre este mercado nos tópicos abaixo:

Para que servem os livros didáticos

O Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD)

Como é feito um livro didático

Transforme a produção de materiais didáticos em carreira

Pós-graduação em produção de material didático

Conclusão

 

Nova call to action

 

Para que servem os livros didáticos 

 

Os livros didáticos compõem um recurso pedagógico eficiente e são muito utilizados em sala de aula, especialmente no ensino básico.

Além de orientar o professor e ajudá-lo a transmitir o conteúdo para toda a turma de forma rápida e fácil, o livro também funciona como um padronizador de conteúdos programáticos para as escolas.

Quanto mais bem elaborados são os projetos gráficos e editoriais, mais proveitoso esse material é para os estudantes.


ja-pensou-em-transformar-a-producao-de-livros-didaticos-em-profissao-Cinco estudantes estão sentados no chão, estudando com livros e notebooks no colo.

O Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) 

 

No Brasil, as escolas públicas contam com o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), que distribui livros de forma gratuita para todas as escolas da rede.

Criado em 1985, o PNLD trouxe algumas inovações para a produção e distribuição de materiais didáticos. A avaliação pedagógica dos livros e a escolha realizada pelo docente são exemplos de mudanças promovidas pelo programa. 

Além disso, a aquisição de livros passou a ser feita integralmente com recursos do governo federal, de forma gratuita para as escolas e para os estudantes. O programa passou a abranger todo o território nacional a partir de 1997.

Segundo levantamento publicado no Guia do Estudante, graças ao programa, todos os anos cerca de 150 milhões de livros didáticos circulam por mais de 140 mil escolas brasileiras e chegam a 40 milhões de estudantes de forma gratuita. Além disso, o PNDL é considerado o segundo maior programa de distribuição de livros do mundo, ficando atrás apenas da China.  

 

o-programa-nacional-do-livro-e-do-material-didático-(PNLD)-Menino folheia livro dentro de uma biblioteca.

Como é feito um livro didático 

 

Uma edição de um livro didático demora cerca de três anos para ser lançada. Nesse período, o material passa por várias etapas de produção, até estar pronto para impressão, encadernação, venda e distribuição às escolas.

As etapas de produção se relacionam entre si e muitas vezes ocorrem de forma repetida ou simultânea durante o processo de elaboração do material. 

Mas tudo começa com o planejamento e a escrita dos conteúdos, que se inicia do zero a cada edição. Confira um resumo das etapas:

 

  • Planejamento de conteúdo,
  • Escrita dos originais pelos professores autores, 
  • Edição, 
  • Ilustração, 
  • Diagramação, 
  • Revisões de texto, 
  • Conferências de resposta,
  • Envio para impressão.

 

Todo conteúdo abordado nos livros segue a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), documento do Ministério da Educação (MEC) que estabelece os conteúdos programáticos do ensino fundamental e médio, além de quando eles devem ser estudados.

Além do documento BNCC, que é atualizado periodicamente por uma equipe técnica, as editoras também observam outras orientações do MEC para compor o material. 

No entanto, quem escolhe as abordagens a serem feitas no livro é a equipe de autores, formada por professores especializados.

Dito isso, é importante ressaltar que os autores não podem emitir suas próprias opiniões ou julgamentos de valor sobre os fatos narrados. Ou seja, é praxe neste gênero de escrita tecer abordagens amplas, agregadoras e pacifistas sobre temas de discordância social, como conflitos políticos e civis. 

Porém, a narrativa de livros didáticos, em especial no caso de matérias como Sociologia, Geografia e História, é atravessada pela cultura de quem os escreve. 

Nesse sentido, os livros didáticos não são isentos de crítica. Por exemplo, estas obras são comumente criticadas no Brasil e em outros países por narrarem a “história do vencedor”, principalmente no que tange à abordagem sobre relações étnico raciais e opressões sociais que originaram e ainda caracterizam estas sociedades.

Contudo, as críticas e os avanços sociais são importantes no processo de atualização destes livros. Exemplo disso foi a inclusão do tema Cultura Afro-Brasileira na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a partir da Lei nº 10.639, de 2003.

 

Transforme a produção de materiais didáticos em carreira 

 

A produção de materiais didáticos é um mercado interessante e de fácil acesso para profissionais de diversas áreas, principalmente professores, editores, designers gráficos, ilustradores, redatores e revisores.

No caso dos professores, eles podem atuar na redação dos livros em si, na elaboração de questões ou na equipe de correção e revisão do material.

Para ser contratado por uma editora como autor de livro didático, é preciso comprovar um alto grau de qualificação na área pretendida. Além disso, é uma atividade que demanda tempo e dedicação do professor. 

Para além da redação, a cadeia produtiva dos livros didáticos envolve editores, designers, ilustradores e revisores, que atuam, respectivamente, na produção e organização, composição gráfica e diagramação, elaboração de ilustrações e revisões técnicas.

 

Pós-graduação em produção de material didático

 

Para melhor inserir-se no mercado editorial dos materiais didáticos, o profissional pode realizar um curso de pós-graduação nesta área. 

A Univali EAD oferece o curso de Produção de Material Didático e Avaliações para Língua Portuguesa, voltados para profissionais da área da Educação, como professores do Ensino Fundamental e Ensino Médio, que atuam ou desejam atuar no setor editorial.

pos-graduacao-em-producao-de-material-didatico-Menina de moletom laranja sorri em pé, enquanto alguns colegas estudam na mesa atrás dela.

Conclusão

 

Há gerações de anos o livro didático mostra-se um poderoso instrumento pedagógico. Passível de críticas e atualizações, este material tem como objetivo melhorar a aprendizagem e a relação entre professores e alunos.

Nesse sentido, cabe ao professor complementar e dar maior sentido aos materiais, sempre conectando o conteúdo visto com a realidade dos estudantes.

Além de impactar a experiência do aluno, a produção do livro didático é uma fonte de renda para muitos profissionais técnicos e criativos.

Essa cadeia produtiva, de acordo com o estudioso britânico Christopher Stray, citado no site e.docente, torna este gênero de livro “uma mistura entre cultura, pedagogia, produção editorial e sociedade”.

Faça parte do universo da produção de materiais didáticos com a pós-graduação da Univali. Clique aqui para conhecer o curso Produção de Material Didático e Avaliações para Língua Portuguesa.

 

Acompanhe o blog da Univali EAD para ler sobre outros temas relevantes para sua carreira e para sua formação, assim como esse. :) 

 

Outros artigos que podem interessar:

 
New call-to-action

Inscreva-se no nosso Blog

Baixe agora o manual:

New call-to-action

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT